Nesse arquivo velho…

Um pouco sobre Ciência da Computação, áreas afins e não tão afins.

A redação pelo parágrafo – Parte 3: Qualidades do parágrafo

leave a comment »

As qualidade do bom parágrafo são cinco: unidade, coerência, consistência, concisão e ênfase.

Unidade – amarra todas as ideias entre si: a ideia central às ideias secundárias, e estas entre si; e cada ideia se liga às próprias exemplificações ou detalhes. Para um parágrafo ter unidade é necessário um período tópico forte, pois, se a ideia central é fraca, obscura ou vaga, as ideias secundárias também serão. Dessa forma, os períodos secundários devem estar relacionados por meio de um ponto comum ao período tópico para dar unidade ao parágrafo.

Coerência – organiza a sequência das ideias (central e secundárias), de modo que o planejamento ordenado das ideias leva o leitor facilmente de um período para o outro. A coerência deve começar com o período tópico, pois uma ideia mestra incoerente gera ideias secundárias incoerentes ou desorganizadas. Assim, um parágrafo coerente fui suavemente numa clara direção, com os períodos colocados em sequência lógica (cronológica, espacial, classificatória, explanatória) sem omissão de períodos necessários para completar a sequência, e sem a intromissão de períodos estranhos.

Para dar coesão à construção interna do parágrafo, e aos parágrafos entre si, são as palavras e frases de ligação, as conjunções, os sinônimos e os pronomes. A repetição de ideias e palavras-chave, além de dar ênfase, também ajuda a dar coerência aos parágrafos.

Consistência – deve estar presente na forma e no conteúdo. Consistência na forma significa a adoção do mesmo tom ou estilo na apresentação do texto (o texto não deve iniciar com um tom sério e continuar de modo jocoso). Quanto ao conteúdo, não se coloca uma ideia em situação diferente das outras ideias, gerando contradição (um período afirma que Angela é a mais bela, e outro período diz que Lídia é a mais bonita).

Concisão – deve-se economizar palavras e frases, cortando o que for desnecessário e substituindo palavras e expressões longas por outras mais breves. Assim, é necessário eliminar a prolixidade, que a alonga e dificulta a compreensão do assunto, com a repetição das mesmas ideias e, a digressão, que foge do assunto principal para tratar de questões paralelas de pouca importância. Os casos de prolixidade são: verbos diluídos, tautologia ou pleonasmo, construções digressivas e preposições desnecessárias.

Verbos diluídos Concisão
Levar em consideração
Levar ao conhecimento
Fazer o estudo
Fazer o exame
Fazer o relatório de
Dar a prova de
Chegar à conclusão
Chegar à decisão
Tomar a decisão
Tomar conhecimento
É indicativo de
Estabelecer um sistema
Estabelecer um regulamento
Considerar
Informar
Estudar
Examinar
Relatar
Provar
Concluir
Decidir
Decidir
Conhecer
Indica
Sistematizar
Regulamentar
Tautologia (pleonasmo) Concisão
Redondo na forma
Verde na cor
Jovem na idade
Dois metros no tamanho
Largo no tamanho
Na sequência de 10 a 20
Breve na duração
Sistema planejado
No presente momento
Circular ao redor
Nas bases fundamentais
Consequentes resultados
Combinar junto
Cooperar junto
Consenso de opinião
Continua a permanecer
Resultados finais
Lucros desejáveis
Rápido na ação
Aqui incluso
Poucos em números
Exatamente justo
Primeiro começo
Misturados juntos
Mútua cooperação
Moderno método de hoje
Requisitos necessários
Repetir novamente
Efeito resultante
Três quilômetros de distância
Redondo
Verde
Jovem
Dois metros
Largo
De 10 a 20
Breve
Sistema
Agora
Circular
Nas bases
Resultados
Combinar
Cooperar
Consenso
Continua
Resultados
Lucros
Rápido
Incluso
Poucos
Justo
Começo
Misturados
Cooperação
Moderno método
Requisitos
Repetir
Efeito
Três quilômetros
Construções digressivas Concisão
Há um tratamento disponível que consiste de.
Há seis causas que provocam.
Vou apresentar um resumo.
Parece que há três processos.
No caso de.
É óbvio que ele virá.
Em artigos anteriores eu já demostrei.
Não há dúvida que ele virá.
Ele lê cerca de 20 a 30 páginas.
Quero crer que ele está fora.
Na minha opinião, ele é forte.
Acho que ele estuda muito.
Tenho em mãos sua carta de junho.
Desaparecer da vista.
Em minha opinião, eu penso.
No curso de.
Nos meses de verão.
O tratamento consiste de.
Seis causas provocam.
Vou resumir, resumirei, resumindo.
Há três processos.
Se.
Ele virá.
Já demonstrei.
Ele virá.
Ele lê de 20 a 30 páginas.
Ele está fora.
Ele é forte.
Ele estuda muito.
Sua carta de junho.
Desaparecer (sumir).
Penso.
Durante, no, na.
No verão.
Expressões preposicionadas Concisão
Dentro em breve
Com relação a
Em relação a
Em função disso
Decidir sobre o assunto
Em breve
Sobre
Sobre
Por isso
Decidir o assunto

 

Ênfase – o escritor tem vários caminhos: escolha cuidadosa da palavra ou expressão forte e adequada para representar a ideia; posição das orações no período; o tamanho das orações e dos parágrafos; repetição da ideia principal. O conhecimento e o emprego judicioso dessas técnicas sobre a ênfase aprimoram o estilo e abrilhantam o texto.

Posição das orações Comecei a escrever o livro (cumulativa), depois do belo curso sobre meio ambiente.
Depois que fiz o belo curso sobre meio ambiente, comecei a escrever o livro (periódica).
Tamanho das orações e dos parágrafos Contraste: orações ou parágrafos curtos no meio de parágrafos médios ou longos dão contraste e ênfase.
Proporção: se uma ideia importante precisa ser mais bem explicada, ela ocupará mais espaço, exigirá mais orações e parágrafo mais longo, enfatizando a ideia principal.
Repetição da ideia principal Sinônimos ou antônimos: palavras ou expressões diferentes.
Polissíndeto: figuras de sintaxe, como a repetição enfática do conectivo.
Aliteração: figuras de sintaxe, como fonemas consonantais idênticos ou semelhantes.
Símile, metonímia, metáfora: figuras de palavras.
Antítese: figuras de pensamento, como a aproximação de palavras com sentido oposto.
Hipérbole: exagero de ideias.
Apóstrofe: interrupção do texto para chamar a atenção.
Gradação: sequência de palavras ou frases para intensificar progressivamente a ideia.
 

Calma e tranquilidade era o seu forte (sinônimos).
Não era inquieto nem intranquilo (antônimos de calmo).
Ele é que manda (partícula de realce).
Ele é forte, e valente, e ousado (polissíndeto).
Vozes veladas, veludas vozes (aliteração).
O sol parecia uma laranja (símile).
Você já leu Machado de Assis? (metonímia)
As dentadas do arrependimento (metáfora).
Ela espetou-me seus olhos metálicos (metáfora).
Meu verso é sangue (metáfora).
Amor é dor que desatina sem doer (antítese).
A garota carregava uma montanha nos ombros (hipérbole).
Veja, meu Deus e Senhor, quanta corrupção (apóstrofe).
Esta é uma sociedade de crianças pobres, miseráveis, de ninguém (gradação).

 

Bibliografia: Figueiredo, Luiz Carlos. A redação pelo parágrafo. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

Written by Rafael Vivian

26/01/2011 às 9:53

Publicado em Redação

Tagged with , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s